Escuro Visível (2014)

 

Escuro Visível

foto: Edson Kumasaka

 

Investigações sobre o desejo.

O que inicia um movimento? Por que continuamos? O que gera potência e intensidade à existência? O que nos conecta?

Testamos e praticamos possibilidades de convivência e coletividade em um corpo em constante transformação, onde a experiência contínua do desejo é a força propulsora. Interessa-nos como forças e intensidades vitais podem ser partilhadas em um ambiente comum, em um espaço de afetos, onde as conexões são tão importantes quanto os indivíduos.

Estamos cansadas desta produção incessante de desejos voltados ao “sucesso” individual, lançados aos montes neste modo de operar do consumismo. Tentamos nos apropriar das nossas necessidades e desejos mais vitais. Exercitamos olhar e sentir o que realmente precisamos, juntas.

Assumimos o risco de expor forças e intensidades íntimas como princípio organizador da ação coletiva, aceitando e reconhecendo cada acontecimento, deixando-se afetar, transformar, criando assim uma rede propulsora formada por impulsos necessários.

Lygia Clark fantasiava o mundo como um grande bicho não percebido pelo homem. Emprestamos esta ficção e testamos o homem (que é ao mesmo tempo mulher) como um grande bicho não percebido pelo homem.

Este trabalho foi produzido com o apoio do XIV Edital de Fomento à Dança da Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo.

concepção/direção: Adriana Grechi | criação/performance: Carolina Minozzi, Lívia Seixas e Nina Giovelli | preparação corporal: Adriana Grechi e Lívia Seixas | artista provocador/ treinamento/colaboração: Marcelo Gabriel | artista provocador: Taoufiq Izeddiou| estágio/ colaboração: Isis Andreatta | instalação sonora: Dudu Tsuda | iluminação: André Boll | fotografia: Edson Kumasaka | design gráfico: Fernando Bergamini | produção: Fractal Produção Cultural – Amaury Cacciacarro Filho | assistência de produção: Erika Fortunato | produção executiva: Guilherme Elias

Anúncios