Integrantes

Adriana Grechi

Coreógrafa, dançarina, professora e idealizadora de contextos para a dança, graduada pela faculdade de Nova Dança S.N.D.O. – Amsterdã. Criou diversas performances entre 1988 e 94 na Holanda. Foi uma das fundadoras e diretoras do estúdio Nova Dança (movimento de pesquisa, ensino e criação) até 2003. Dirigiu a Cia. Nova Dança (1995-99) e a Cia. 2 Nova Dança (1999-2002). Em 1999 com as companhias do Estúdio Nova Dança recebeu o “grande prêmio da crítica” de São Paulo – APCA – pelo conjunto da obra. Coreografou para grupos no Brasil e exterior, entre eles Pia Fraus Teatro, Balé Guaíra 2 (Curitiba), Cia. Rua das Flores (Curitiba), Northern Youth Dance Company (Inglaterra), Connections 5 (Inglaterra). Em 2002 apresentou o espetáculo “Toda coisa se desfaz” com a Cia. 2 Nova Dança no Rencontres Chorégraphique de Seine-Saint-Denis/França. Ministrou oficinas e cursos regulares de dança contemporânea e criação em diversas cidades da América do Sul e Reino Unido. Coordenou o estúdio Move de 2004 a 2007, desde 2008 coordena o estúdio Nave. Em 2003, Adriana Grechi transforma a Cia. 2 Nova Dança em Núcleo Artérias e dirige “Artérias.2”, primeiro trabalho com o Núcleo. Em 2004, pelo espetáculo “Porque nunca me tornei um/a dançarino/a”, o Núcleo Artérias recebeu o prêmio APCA, foi selecionado pelo “8º Festival da Cultura Inglesa” e “Viagem Teatral do SESI”, realizando apresentações por todo o estado de São Paulo, além de participar de diversos festivais no Brasil. Em 2006 o Núcleo Artérias iniciou o projeto “Trilogia Líquida”, que tem como referência a obra do sociólogo e pensador Zygmunt Bauman, formado pelas criações “Ruído 5.1” (prêmios Klauss Vianna – Funarte, Rumos Dança do Itaú Cultural, Fomento Municipal da Secretaria Municipal de Cultura e Caixa Cultural), “Fronteiras Móveis” (APCA de Criação em Dança em 2008), e “Fleshdance”, apresentado em março de 2012 no Festival On Marche em Marrakech no Marrocos. Em 2011/2012 o Núcleo foi patrocinado pelo Programa Petrobras Cultural realizando temporadas e circulação nacional. Em 2013 estreou “BANANAS” com o Núcleo Artérias, no 17º Cultura Inglesa Festival em São Paulo. Em 2014 estreou “Escuro Visível” com apoio do 14º edital de Fomento à Dança. Em 2015 recebe, junto ao Núcleo Artérias, o apoio de dois anos do 18º edital de Fomento à Dança, realizando recriação e circulação de repertório e criação de “Protesto”, estreia prevista para junho de 2017. O Núcleo Artérias se dedica desde 2013 de forma contínua à investigação de corporeidades urgentes e à invenção de sistemas de compartilhamento artístico. Adriana Grechi idealizou diversos contextos/projetos de dança na cidade de São Paulo: o projeto Teorema, articulando teoria e prática, em 2010 realizou sua sétima edição. A Plataforma Exercícios Compartilhados completou em 2017 sua 6ª edição. Idealizou e realizou a direção artística de 9 edições do Festival Contemporâneo de Dança de São Paulo, festival internacional voltado ao compartilhamento artístico e formação em dança. Recebeu ao longo de sua trajetória diversos prêmios, entre eles, 4 APCA (Associação Paulista dos Críticos de Arte). Foi indicada ao prêmio Governador do Estado 2015 e recebeu da Cooperativa Paulista de Dança o prêmio Denilto Gomes 2016.

Bruna Spoladore

Intérprete-criadora do Núcleo Artérias. Realizou uma residência com Michelle Moura dentro do Projeto 20 Minutos.MOV (2014). Realizou o projeto boMba aprovado pelo Edital de Produção em Dança da Fundação Cultural de Curitiba (2013/2014). Fez a Formação Intensiva Acompanhada no c-e-m (centro em movimento/Lisboa-PT/http://www.c-e-m.org), dirigido por Sofia Neuparth e Margarida Agostinho (2013/2014). Foi professora colaboradora na Universidade Estadual do Paraná (2013/UNESPAR). Mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Dança da Universidade Federal da Bahia (2012/UFBA). Graduada em Licenciatura e Bacharelado em Dança pela UNESPAR (2009). Participa do Grupo de Pesquisa em Dança da FAP e foi proponente no Um – Núcleo de Pesquisa Artística em Dança da FAP (2012). Proponente e bailarina do Projeto Intimidade dócil, contemplado pelo Prêmio Funarte Petrobras de Dança Klauss Vianna na categoria Jovens Talentos (2012/Região Sul) e no Edital de patrocínio dos correios (2014/Circulação). Fez parte do trabalho Big Bang Boom de Michelle Moura, escolhido pelo jornal O Globo como um dos melhores trabalhos de dança de 2012. Foi curadora da I Mostra Internacional de Videodança de Curitiba (2012). Em 2012 começou sua formação como educadora do movimento somático (Body-Mind-Centering). Participa da Associação Nacional dos Pesquisadores em Dança (ANDA). Foi professora de Balé Clássico da Juliana Carletto Cia. de Dança (2012). Dançou na G2 Cia. de Dança do Teatro Guaíra (2007-2008) e por sete anos (1995-1999/ 2002-2004) cursou a Escola de Danças Clássicas do Teatro Guaíra (EDTG/Curitiba-PR).

Lívia Seixas

Integrante e preparadora corporal do Núcleo Artérias. Intérprete-criadora, diretora e coreógrafa, é co. fundadora da Cia Nova Dança 4, sob direção de Cristiane Paoli Quito desde 1996. Durante este período a Cia recebeu diversos prêmios e se apresentou no Brasil e em diversos festivais na Europa e Estados Unidos entre eles a Copa Cultural – INTRANSIT em Berlim (Alemanha – 2006), Festival de Dança ACARTE – Lisboa (Portugal – 2000), American Dance Festival ADF em Durham (USA 2000) e Rencontres Chorégraphique de Seine-Saint-Denis (França 2000). Em 2003, em parceria com Sheila Arêas, recebeu o Prêmio Rumos Dança do Itaú Cultural, com o espetáculo “Um Dia”, concepção, criação coreográfica e interpretação da dupla premiada; em 2004, iniciou a pesquisa de seu solo “Uma vez, só”, apresentado no “Feminino na Dança” – Centro Cultural São Paulo; em 2005, formou e dirigiu a Beneditas Cia de Dança; em 2010 dirigiu o espetáculo infantil “Menino,já foi?” com a Outro,outra Cia de Dança contemplado pelo Proac no mesmo ano. Também trabalhou com os diretores Philipe Jamet (2005), Luiz de Abreu (1999), Cristina Brandini (1997) e Adriana Grechi (1998), retornando ao Núcleo Artérias como integrante em 2012. Lívia Seixas graduou-se pela Faculdade de Dança Paulista de Artes de São Paulo em 1998.

Renata Aspesi

Intérprete-criadora do Núcleo Artérias  desde 2016. É artista da dança, atriz e tradutora. Especialista em Educação em Museus e Centros Culturais pelo Instituto Singularidades SP. Trabalhou em companhias de dança em Brasília, Campo Grande e Charleroi. Em São Paulo desde o ano 2000, fez parte do elenco de Sandro Borelli, Key Zetta e Cia, além de participar da criação e atuar nos espetáculos “Um Porco Sentado” e “Alfaiataria de Gestos” com Roberto Alencar. Em 2013 e 2014 recebeu o Prêmio Célio Adolfo de estímulo à Dança para criação e circulação do espetáculo S.(AR).A.H. Em 2015 participou da Plataforma Exercícios Compartilhados V, onde desenvolveu o trabalho solo “Sem Batom”, com orientação de Adriana Grechi, provocação de Robert Steijn e Marcelo Evelin.  Atualmente se interessa pela criação em dança como linguagem que busca transcender o meramente espetaculoso.

Luciana Mugayar

Começou sua experiência profissional como produtora de moda para diversas revistas e por um tempo produtora de pautas para alguns programas de TV relacionados à moda e viagens. Morou fora do Brasil onde trabalhou pesquisando moda de rua para a indústria têxtil e algumas marcas brasileiras. De volta a São Paulo, seu entusiasmo pela moda foi ficando para trás e se aproximou de temas que a interessam mais, como a arte e a dança. Desde então vem colaborando com artistas visuais, como Leandro Nerefuh, Renata Lucas e Sônia Gomes. Na dança, atualmente produzindo figurinos para as coreógrafas Adriana Grechi, Elisabete Finger e Marina Tenório. O seu entusiasmo está em trabalhar coletivamente envolvendo figurinos e arte.

André Boll

É Iluminador desde 1990 e assina mais de 140 projetos para teatro, música e principalmente dança. Entre as companhias e artistas coreógrafos para qual desenvolveu projetos destacam-se entre outros Cristian Duarte, Núcleo Artérias, Cia Ensaio, Balé da Cidade de São Paulo, São Paulo Companhia de Dança, Cia de Dança do Palácio das Artes, Cia Silvia Geraldi, Marta Soares e J Garcia Cia de Dança. Ministra cursos e palestras a convite de instituições, como Festival de Joinville, Universidade Anhembi Morumbi e SP Escola de Teatro. Foi responsável pela iluminação do Balé da Cidade de São Paulo por quatro anos onde executou projetos de iluminadores da França, Itália, Israel e Inglaterra. Atua como diretor técnico de festivais nacionais e internacionais (Festival Contemporâneo de Dança, Panorama SESI de Dança, Mostra Internacional de Teatro – MITsp 2015 e 2016) e de turnês no Brasil das companhias de Jo Kanamori  (Japão), Trisha Brown e Yvone Rainer (USA), Xavier Leroy, Rodrigo Garcia (França), Ex-Machina com direção de Robert Lepage (Canadá), Angelica Liddel (Espanha), entre outras. Dirige a Santa Luz Ltda., empresa de serviços e consultoria técnica.

Dudu Tsuda

É artista multimídia, artista sonoro, músico, compositor, performer, produtor musical e professor convidado da PUC/SP desde 2010. Mestre pelo programa Tecnologias da Inteligência e Design Digital PUC-SP. Graduado em Comunicação em Multimeios PUC-SP. Indicado ao Prêmio Sérgio Motta 2009 (São Paulo/Brasil). Selecionado para participar da mostra competitiva Tokyo Experimental Festival vol. 08 – (Tóquio/Japão_2013). Ganhador do prêmio de Melhor Trilha Sonora ‘Quando os dias eram eternos’ de Marcus Vinicius Vasconcelos_49o Festival de Cinema de Brasília (Brasília/Brasil_2016). Contemplado pelos programas de residência artística: Universidad Nacional de Colombia (Bogotá/Colômbia 2016); PlusBrazil/Villa Waldberta (Munique/Alemanha_2016); Universidad Pedagogica Nacional (Bogotá/Colômbia 2015); Paço das Artes (São Paulo/Brasil_2014-2015); Línea De Costa (Cádiz/Espanha_2014); Prefeitura de Paris :: Résidences aux Recollets (Paris/França_2014); Tokyo Wonder Site (Tóquio/Japão_2014); Cité Internationale de Arts de Paris (Paris/França 2013); Ville de Paris/Institut Français Résidences aux Recollets (Paris/França_2012). Realizou exposições individuais e coletivas, performances, instalações e intervenções urbanas em mostras, festivais e instituições como: 7a. Biennal of Mercosur 2009 (Porto Alegre/Brasil), IX Biennal Siart of La Paz 2016 (La Paz/Bolívia), L’institut Français (Tóquio/Japão), Tokyo Wonder Site 2014 (Tóquio/Japão), Festival de la Imagen de Manizales 2015 (Manizales/Colômbia), Mostra SESC de Artes 2012 (São Paulo/Brasil), Paço das Artes 2010, 2013 e 2015 (São Paulo/Brasil), ECCO :: Museo de Arte Contemporaneo 2014 (Cádiz/Espanha), Virada Cultural 2010, 2013 e 2015 (São Paulo/Brasil), Die Fäberei Showcase Dyeing/Schaufenster der Fäberei 2016 (Munique/Alemanha), Einstein Kultur Musik Theatre 2016 (Munique/Alemanha), Cité Internationale des Arts de Paris 2012 (Paris/França) e Centre Récollets 2014 (Paris/França). Participou como compositor, sound designer, artista sonoro e performer em colaboração com outros artistas em mostras, festivais e instituições como: 27a. Bienal de São Paulo 2006 (São Paulo/Brasil), Centre Georges Pompidou (Paris/França), Cité Internationale des Arts de Paris (Paris/França), Itaú Cultural (São Paulo/Brasil), Espaço Oca (São Paulo/Brasil), SESC São Paulo (São Paulo/Brasil), SESI São Paulo (São Paulo/Brasil), Fundação TV Cultura (São Paulo/Brasil) e British Council (São Paulo/Brasil).

Amaury Cacciacarro Filho

Gestor de Projetos Culturais é diretor da Fractal Produção Cultural, diretor geral do Festival Contemporâneo de Dança, sócio e administrador do Estúdio Nave de dança contemporânea, coordenador de produção do projeto Teorema e palestrante na área de Produção Cultural. Em 2013 idealizou e coordenou a ocupação da sala Renée Gumiel na FUNARTE, onde foram realizadas 145 apresentações de grupos e artistas nacionais, 50 oficinas e encontros, palestras, além de ações de inclusão em parceria com a professora e arte educadora Vera Oliveira, coordenadora da Associação Cultural Meninos do Morumbi. Como idealizador e diretor geral do Festival Contemporâneo de Dança já trabalhou com diversos artistas nacionais e internacionais, entre eles Eszter Salamon, Thomas Lehmen, Cristina Blanco, Cuqui Jerez, Sònia Gómez, Tamara Cubas, Taoufiq Izeddiou, Jefta Van Dinther, Paz Rojo, Gustavo Ciríaco, Marcelo Gabriel, Marta Soares, Sheila Ribeiro, Elizabeth Finger e Michelle Moura. Participou como convidado dos festivais Tanzplattform em Dresden na Alemanha e On Marche no Marrocos em 2012, foi membro da Comissão de Seleção da 10ª e da 11ª edição do Fomento à Dança de São Paulo em 2011, foi membro da Comissão de Seleção do Programa Petrobras de Artes Cênicas em 2010, participou como convidado do festival Rencontres Chorégraphiques de Seine-Saint-Denis, em Paris, em 2009 e é integrante do Núcleo Artérias desde 2004. Amaury é graduado em Arquitetura pela Faculdade de Belas Artes de São Paulo, pós-graduado em Administração pela FAAP, cursou especialização em Marketing na ESPM e tem diversos cursos na área de Captação de Recursos para a Cultura.

Anúncios